Click



quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Aos Grandes

verossímil


tuas linhas
teu sorriso
teu rosto
e teu toque [que nunca tive, nem ainda e nunca...]

fogem-me à memória...

o que me resta é um torpor
do não feito
do não provado
do sim refreado [que deveria ter tentado...]

vejo ainda que tênue
em ângulo obtuso
um leve alvitre
revelado em preto e branco,
qual foto que admite

de um sólido sorriso
entre olhos
nossos, geométricos
entre um e outro, aviso
[que se disseram possíveis...]

tomam-me à euforia
sentir o que senti, de novo
somente em mente
próspero de alforria

verossimilhança
d’uma infinda dança
nunca dançada, semi-inacabada
[como sinfonia sincopada...]

Nenhum comentário:

Tomar um Tereré?

 
;