Click



terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Lápis de Cera














Quando se é criança, quando se tem sonhos,
quando um lápis encerra todo um mundo de faz-de-conta...

As memórias são alentos suaves que nos transportam ao mesmo ponto
de onde paramos de sonhar e viver uma realidade mais gentil!


Ser criança de alma, 
ser menino de olhar, 
ser mais que apenas existir 
maquinalmente palavras fúteis
músicas antigas na vitrola imaginária 
sobre o tapete aos pés do fogão à lenha
Suspiros de uma saudade melancólica
triste realidade olhar o arranha-céu e sonhar
um dia! uma mágoa, mágica dos olhos...
Música elétrica!
Uma mulher que lhe adora.
Um sorriso falso num beijo de estante.
Empoeirado.



Nenhum comentário:

Tomar um Tereré?

 
;